Café e castanhas contra o Parkinson



Como você quer estar daqui a trinta anos? É claro que todos nós nos preocupamos com o futuro, por isso cuidamos do nosso corpo, buscamos cada vez mais novidades cosméticas e dietas balanceadas que nos mantenham sempre com aparência jovem e bonita. Mas de que adiantará tudo isso se, não tivermos lucidez? O mal de Parkinson, atinge cem mil mulheres de até cinqüenta anos, pode surgir em qualquer altura dos 35 aos 85 anos de vida. Nos EUA, já contam um número de um milhão de pessoas com a doença.

Café e castanha contra o mal de Parkinson

Sintomas do Parkinson

O mal de Parkinson age em nossos neurônios fazendo com que morram ou percam a capacidade. Enquanto isso acontece, nossos músculos se tornam mais rígidos, e surgem sintomas como tremores, dificuldade para caminhar, para se equilibrar ou té mesmo engolir.

Aos poucos, a fisionomia da pessoa aparenta uma expressão de máscara, como se não entendesse mais o que acontece a sua volta. Sua evolução é progressiva e lenta, acarretará depressão, insônia, e ansiedade.

A causa do Parkinson pode ser genética

Ainda não se sabe o que ocasiona este mal, mas acredita-se em uma pré disposição genética, além da exposição a ambientes favoráveis a destruição dos neurônios, como o consumo de substâncias tóxicas.

Diagnóstico do Parkinson

O diagnóstico da doença se dará a partir de exame clínico, ou seja, um exame de observação que pode ser realizado pelo médico em seu próprio consultório, e observação dos sintomas. Infelizmente esta ainda é a única maneira de diagnóstico da doença, a tomografia ou a ressonância, apenas servem para descartar doenças com sintomas parecidos com o mal de Parkinson, o que é uma pena, já que a pessoa que apresenta os sintomas, já está com a doença instalada.

Como se trata o mal de Parkinson?

Não existe um tratamento específico contra a doença em si, serão tratados apenas os sintomas ocasionados pelo mal. A intervenção pode tanto ser cirúrgica, quanto medicamentosa, enquanto se aguarda novos resultados de pesquisas com células tronco.

Café e castanhas contra a doença

Embora não exista uma prevenção contra a doença, pesquisas indicam que certos alimentos possam contribuir para a manutenção dos neurônios do nosso cérebro.

A Associação Médica Americana afirma que, uma xícara de café por dia, ajuda a reduzir os riscos do mal de Parkinson em até três vezes.

Outra dica é abusar de uma dieta rica em azeite e castanhas, cientistas holandeses garantem que as chances de se ter a doença diminuem em 30%, com esta dieta.

Mantenha – se ativa, trabalhe, ou se envolva em algum tipo de atividade que lhe ocupe o tempo e a faça usar bastante a cabeça para exercitar os neurônios de maneira saudável.

Evite o stress, o mal humor e a depressão.

Alguns dados são da campanha do Dia Nacional da Doença de Parkinson (11 de Abril), oferecimento da Academia Brasileira de Neurologia e apoio de Boehringer Ingelheim.

Teka

Redatora e ilustradora de conteúdo para sites na internet. Curiosa, pesquisadora e investigativa. Tinha o sonho de se tornar astronauta. Acredita que um dia encontrará a "arca da aliança" e trocará informações com civilizações avançadas de outros planetas. Casada há 20 anos, mãe de 3 filhos, compartilhando experiências.

7 thoughts on “Café e castanhas contra o Parkinson

  1. Teka says:

    Bem vinda Lisa!

    Embora o Parkinson possa ser genético, podemos desacelerar o seu processo e ainda ter leves conseqüências da doença!!!

    é ficarmos com tudo em cima e ter consciência disso !

    Beijo linda, bom sábado!

  2. Ropiva says:

    Tenho notado um aumento crescente de casos de Parkinson, não sei se a que se deve, mas certamente uma alimentação melhor ajuda e muito.

    Tem um selo pra ti no Curiosando.

    Beijo!

  3. Juan Trasmonte says:

    Bacana esse texto, Telminha. Com o café é impressionante, de tempos em tempos ele é vilão ou bom pra saúde.
    Café e castanhas eu faço sem nenhum esforço, é uma dieta dionisiaca pra mim.
    Beijos
    (Meu Google está voltando devagarzinho. Acho)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *