Os contadores de histórias e a educação infantil



 

Vivemos num universo onde 90% de nossas percepções são formadas através da imaginação. Ao ouvirmos histórias reais, ou estórias infantis, criamos um mundo imaginário que nos permite interagir melhor com as informações que recebemos. Desta maneira ativamos a criatividade e a percepção crítica, exercitamos a capacidade de reflexão e a sensibilidade.

Qual de nós não se colocou no lugar do pequeno Bambi, aquele filhotinho indefeso que perdeu a mãe morta a tiros por um caçador? Ou enfrentou perigos na pele de super heróis infalíveis das histórias em quadrinhos, pelo bem da humanidade? As princesas e as fadas podem nos ensinar a entender melhor a magia do universo! E de quem será a frase repleta de sabedoria e bom senso : “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”O escritor Antoine de Sant – Exúpery, autor do livro “O Pequeno Príncipe” e responsável pela frase acima, soube educar como poucos, mas ele não foi o único.

Há livros para todos os tipos de gosto e ocasiões. Os livros e suas histórias são potenciais educadores das crianças, e isso significa que estão do nosso lado. Mas os livros não devem permanecer nas escolas ou nas bibliotecas, eles devem ser companheiros de nossos filhos também, em nosso lar.

Os pais devem ser bons contadores de histórias, e não há desculpa para não exercitarem a tarefa de ler para os filhos, aproveite também esses sete motivos: “Sete dicas de livros, histórias e contos infantis e juvenis“.

Como contar estorinhas infantis?

Ninguém nasce um contador de histórias, mas essa habilidade pode ser adquirida sem muito esforço, separamos algumas dicas que poderão ajudar nesta missão:

  • Ao ler uma estorinha infantil, permita que a criança veja seus olhos, não cubra o rosto com o livro.
  • Dê vida aos personagens mudando a entonação da voz.
  • Faça suspense, permita que a criança tenha tempo para pensar, assim haverá expectativa, aumentando a emoção da estória.
  • Ao fim da leitura pergunte ao seu filho se ele gostou da estorinha. Se sim ou se não, ouça as suas razões.Pergunte quem ele seria e o que mudaria na estória.

Tenha certeza de que esse estímulo tranquilizará a criança antes de dormir, além de aproximar a relação entre pais e filhos.A sua intelectualidade estará se formando nesta fase, e seus personagens favoritos serão seu exemplo de personalidade.

Teka

Redatora e ilustradora de conteúdo para sites na internet. Curiosa, pesquisadora e investigativa. Tinha o sonho de se tornar astronauta. Acredita que um dia encontrará a "arca da aliança" e trocará informações com civilizações avançadas de outros planetas. Casada há 20 anos, mãe de 3 filhos, compartilhando experiências.

4 thoughts on “Os contadores de histórias e a educação infantil

  1. Balaio Variado says:

    Acho bacana esse contato dos pais e filhos em um momento lúdico como o de "contar estórias", mas realmente o "saber contar" faz toda a diferença.
    É claro que na relação pais e filhos, o importante é o carinho e a boa intenção depositada no ato de
    "contar estórias", mas com relação a arte da contação de estórias, pude observar um fato bastante preocupante.
    Na minha infância, lembro de ter assistido na escola o tal chamado "teatro de fantoches" encenado por professores e também por outras pessoas. Na maioria das vezes parecia que as crianças até (desanimo) gostavam, mas quando cresci percebi que as pessoas tinham um enorme preconceito com o teatro e o teatro de bonecos e que achavam que o que viram na escola era "teatro" ou "teatro de bonecos".
    Hoje sei o que o teatro ou o teatro de bonecos realmente é e o que a arte pode fazer por nós. Conheci infinitas técnicas de teatro com bonecos e vi coisas que a maioria das pessoas nem sabe que existe (infelizmente).
    E percebi principalmente que a maioria dos professores não faz muita questão de conhecer ou não tem condições de conhecer essas maravilhas que só a arte é capaz de oferecer.
    Então….vemos adultos que jamais viram um espetáculo de bonecos, por puro preconceito e falta de informação.
    E o que se oferece (em termos de arte) nas escolas é muito pobre..
    espetáculos a lá Disney, que não
    servem nem como entretenimento, quanto mais como fomentadores do
    fazer artístico..

    Bjs

  2. Paulo Tamburro says:

    OI TEKA, belo texto,instrutivo e pedagócico.

    Dê um grande abraço no seu miudinho, e que estejam todos com saúde para escutar muitas histórias (rs)

    Um abração carioca e fique com Deus!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *