O que o ômega 3 fez pela minha depressão

omega 3



Há algum tempo venho sofrendo com os problemas da depressão por conta de traumas psicológicos que carrego desde criança, e também por ter passado uma grande parte da minha vida tentando corresponder às expectativas das pessoas que eu amava. O que eu demorei pra perceber, foi que, estas pessoas estavam doentes também, pois procuravam responsabilizar alguém, (tolerante o suficiente), por suas próprias experiências “miseráveis”, sem se darem conta disso. Mas um dia eu acordei. Foi quando me vi numa terrível crise de pânico. Pensei, pensei… e cheguei a conclusão de que estas pessoas nunca estariam satisfeitas, pois sofriam as penas de suas próprias crises, seguidas por despeito, medo, baixo autoestima e insegurança. Ou seja, não importava o que eu fizesse, ou o quanto eu me desgastasse tentando agradá-las. Eu precisava mesmo era cuidar de mim.

Sendo assim, a primeira coisa que fiz foi riscar para sempre da minha vida frases destrutivas que ficavam ecoando na minha cabeça cada vez que eu precisava realizar algo desafiador. As frases eram do tipo: Sofra calada, ninguém se importa com seus sentimentos; Acerte de primeira sem nunca antes ter tentado se não quiser virar piada; Entenda que todos sempre serão melhores do que você, então jamais sinta orgulho de si mesma; Você não é ninguém; O que você fez, qualquer um pode fazer, e ainda melhor; Engula esse choro!… além de outras tantas frases iguais a estas. Logo, o próximo passo, foi evitar repetir frases como estas aos meus filhos, para que não tivessem que tentar corresponder a mim, como se eu não os amasse plenamente.

Quando me peguei depressiva pela primeira vez…

 

Eu estava indo bem depois de perceber que lidava com pessoas problemáticas e arrogantes o suficiente para não se darem conta de seus próprios problemas. Precisei mudar de ambiente várias vezes para criar novas experiências e me assegurar de que havia me fortalecido o bastante para continuar firme com a minha vida. Foi quando cheguei a mudar de estado disposta a colocar em prática meus objetivos sem nenhum “encosto”, e, apesar de ter consciência de que teria que arcar com uma imensa lista de responsabilidades, me dispus completamente a isto. Mas, a vida é a vida, e é importante lembrar que ela gosta mesmo, é de nos fazer saber que não é a gente quem manda. E foi então que eu me vi em mais um daqueles momentos inesperados, do tipo que me fez cair no maior abismo que é a depressão.

É bom que saibam que, mesmo eu, tendo uma pré disposição genética herdada da minha mãe, nunca havia me sentido como nos últimos meses, e foi preciso um gatilho para que eu me sentisse mal assim. Ou seja, mesmo contando com fatores psicológicos e genéticos, foi preciso que ocorresse uma mudança no ambiente em que eu me encontrava, e total falta de apoio, para que a depressão emergisse e se instalasse como aconteceu.  É possível que digam que não há nada demais acontecendo, mas se você pensar num elástico estendido ao seu limite, e cada vez mais com o passar dos anos, poderá ao menos, visualizar o estado em que eu, e mais algumas centenas e milhares de pessoas, vivem. Saber o quanto eu posso ser tolerante e paciente, pode facilitar ainda mais, este exercício de visualização.

Eu me vi numa situação de desânimo tal que, não sentia mais vontade de levantar da cama, ao mesmo tempo em que não via sentido nenhum nisso. A depressão torna tudo sem sentido, como se houvesse um profundo vazio. Não. Não é tristeza que se sente quando se passa por uma depressão, é sofrimento, que acarreta angústia, que dá a mão para o desespero, e depois se torna solidão. Eu jamais havia me sentido assim antes.

O que o ômega 3 fez pela minha depressão

Neste estado meu marido e eu buscamos por alternativas que nos desviassem de drogas farmacêuticas por motivos óbvios. Eu trabalho e ainda sei que posso dar conta disso e dos meus  três filhos, enquanto cuido de todos, incluindo meu novo jardim, cachorros, e amigos. Portanto, não tenho a intenção de me tornar dependente de medicamentos a esta altura da minha vida. Além disso, em alguns casos, é muito difícil encontrar o medicamento ideal, pode levar tempo, e atrasaria meus planos sendo que, meu caso não é dos mais graves e urgentes. Então, eu fui apresentada ao ômega 3 pelo meu marido. Ele chegou como quem não quer nada e me ofereceu as cápsulas recheadas com óleo de peixe dizendo: ” Comprei pra você. Disseram que fazia bem pra muitas coisas… ” Fingi que não sabia do que se tratava pra não parecer uma neurótica com mania de perseguição (hahaha), e iniciei a administração das tais douradinhas que, pra minha surpresa, me fizeram muito bem.

O ômega 3 é fornecedor de vários benefícios que vão desde, emagrecimento, foco e celulite, ao, controle de diversas doenças, inclusive a depressão. As pesquisas científicas identificaram que há uma baixa nos níveis de ômega 3 em pessoas com sintomas depressivos. Acontece que, a pouca quantidade desta substância no organismo, acaba comprometendo a função dos neurotransmissores e receptores cerebrais, por dificultar a produção de serotonina, dopamina, e noradrenalina, que contribuem pra o bom humor e bem estar das pessoas.

Ao iniciar a administração das cápsulas há um mês, posso dizer que, apesar de ainda sentir sofrimento, percebo que tenho maior disposição para praticar minhas atividades físicas, domésticas, diárias e cotidianas. Já não me sinto tão necessitada da cama e do isolamento, como quando no início de toda esta situação. E é exatamente disto que se trata os medicamentos farmacêuticos indicados para o problema da depressão, melhorar a disposição física e a vitalidade do depressivo para que ele não desista de viver. Isso mesmo que você leu! Os medicamentos farmacêuticos não nos livram da dor, mas equilibram o nosso estado de maneira tal que, podemos dar continuidade a nossas vidas. Portanto, não espere por milagres se você precisar enfrentar algum tipo de tratamento com medicamentos para a depressão, será necessário fazer algum esforço para obter bons resultados.

Também melhorei ainda mais a quantidade de nutrientes na minha alimentação. Antes eu não fazia a feira, depois de morar anos em uma linda chacarazinha, me acostumei a comprar frutas e verduras em grandes mercados para evitar o trânsito e o tumulto da cidade grande no fim do dia. Já, há alguns meses, eu voltei a frequentar a feira do meu bairro e, sinceramente, não sei porque me permiti a não fazer isso antes.

Ômega 3 não é medicamento

É comprovado a eficácia do ômega 3 como um potente auxiliador no combate e prevenção de diversas doenças, porém, não se deve fazer uso deste ácido graxo encapsulado, sem autorização médica, principalmente em casos de pessoas com atestado comprovado sobre determinada doença. Talvez o seu médico permita que se faça uso do ômega 3 como um complemento no auxílio da recuperação de sua doença mas, certamente não substituirá a sua receita médica. Já se, você estiver se sentindo cansado, desanimado, com pouco foco para os estudos ou trabalho, convém sim, pensar em experimentar o ômega 3 como um complemento de uma dieta saudável e regenerativa.

Mapa da depressão

A depressão ultrapassou eras e vem evoluindo rapidamente. Segundo psiquiatras evolucionistas como John Price, a depressão vem sendo “cultivada” pelos sistemas de hierarquia em que subordinados simplesmente vivem a própria decadência à base de um sistema opressor, onde seus problemas podem ser prontamente ignorados. O estresse da vida moderna também é um dos fatores agravantes do estado depressivo, há teorias que indicam que nosso cérebro não evoluiu tanto quanto o mundo a nossa volta, e suas inovadoras tecnologias. Até mesmo as crises religiosas são cotadas como fatores depressivos por especialistas.

De qualquer forma, Joan Chiao, psicóloga da Universidade Northwestern, EUA, se apóia na percepção de que, em locais onde há o apoio da sociedade, estabilidade e harmonia, que impedem o disparo do gatilho que desencadeia a depressão, a doença é mais controlada. Ela cita países orientais como o Japão.

Veja como a doença afeta a população mundial:

  • Adolescentes:  5% dos adolescentes sofrem depressão e não tomam conhecimento.
  • Homens: Homens são mais propícios ao suicídio em casos de depressão.
  • Mulheres: Por questões hormonais, psicológicas e probabilidade de sofrer abusos, estão duas vezes mais, sujeitas a desenvolver a depressão.
  • Homossexuais: 14,7% dos homossexuais já tentou suicídio devido à depressão.

Espero que este artigo ajude muitos de vocês. Façam suas pesquisas, consultem um bom nutricionista, invistam em uma vida mais saudável, e, evitem que disparem o gatilho da sua depressão mandando logo um foda-se.

Teka

Redatora e ilustradora de conteúdo para sites na internet. Curiosa, pesquisadora e investigativa. Tinha o sonho de se tornar astronauta. Acredita que um dia encontrará a "arca da aliança" e trocará informações com civilizações avançadas de outros planetas. Casada há 20 anos, mãe de 3 filhos, compartilhando experiências.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *